/Carteiros entram em greve após denúncias de sobrecarga de trabalho em Corumbá, diz categoria

Carteiros entram em greve após denúncias de sobrecarga de trabalho em Corumbá, diz categoria

Moradores de Corumbá, a 415 km de Campo Grande, amanheceram sem correspondência nesta terça-feira (30). Os carteiros alegam falta de condições de trabalho, algo que eles teriam feito sucessivas reclamações e, por isto, optaram pela greve indeterminada durante assembleia.

Conforme a presidente do Sindicato dos Trabalhadores nos Correios e Telégrafos (Sintect-MS), Elaine Regina Oliveira, ao menos 95% da categoria aderiu ao movimento. Ao todo, a cidade possui 37 trabalhadores e todos criticam o método implantado recentemente, chamado de Distribuição Domiciliar Alternada (DDA).

Neste caso, os carteiros explicam que, cada um fica responsável por duas regiões da cidade, atendendo cada dia a uma delas. No caso de chuva, por exemplo, eles precisam aguardar o outro dia para entregar as correspondências, acumulando ainda mais o serviço. Outro problema alegado pela categoria é que a cidade é mau planejada e possui inúmeras confusões na numeração.

Todos os problemas, ainda conforme a categoria, teriam sido discutidos nos dias 2, 19 e 22 de outubro.

Em nota, os Correios informam:

Os quatro furgões utilizados nas entregas estão todos operando, assim como as motos. Estão em manutenção apenas as motos-reserva, que representam 10% da frota total de motocicletas e são usadas em substituição em caso de alguma moto-titular necessitar de manutenção.

Trabalham em Corumbá 37 empregados, sendo 10 na agência e 27 no Centro de Distribuição Domiciliária de Corumbá. Do efetivo total do Centro de Distribuição, 21 carteiros aderiram ao movimento paredista. A previsão é de que as atividades retornem ao normal ainda no dia de hoje. O atendimento ao público na agência de Corumbá não foi afetado.

A orientação é que a população aguarde o dia de hoje. Serão realizadas ainda nesta semana ações para normalização da entregas desta semana.

Categoria diz que 95% dos carteiros de município de MS aderiu ao movimento  — Foto: Carla Salentim/TV Morena

Categoria diz que 95% dos carteiros de município de MS aderiu ao movimento — Foto: Carla Salentim/TV Morena