/Em menos de 60 dias, três operações contra corrupção são deflagradas em Dourados

Em menos de 60 dias, três operações contra corrupção são deflagradas em Dourados

Dourados, distante 225 km de Campo Grande, é palco da terceira operação contra corrupção em menos de 60 dias. Na manhã desta terça-feira (11), equipes do MP-MS (Ministério Público Estadual) e Polícia Civil voltas às ruas da segunda maior cidade de Mato Grosso do Sul para desarticular suposta organização criminosa envolvendo agentes públicos e ex-servidores da Prefeitura.

Informações extraoficiais revelam que a terceira operação seria desdobramento da Operação Pregão, que levou a vereadora afastado Denize Portolann (PR), o ex-secretário de Fazenda, João Fava Neto, braço direto da prefeita Délia Razuk (PR), o ex-chefe de licitações, Anilton de Souza, e o empresário Messias José da Silva para prisão em outubro passado.

Nela, outro alvo da primeira fase da operação, que virou réu e teve os bens bloqueados, teria sido preso. Ele seria Rosenildo França, ex-contador da prefeitura, exonerado por determinação judicial, em 8 de novembro. Sua esposa também teria sido presa nesta terça.S

Além da prisão dos agentes públicos e empresário, 16 mandados de busca e apreensão forma cumpridos. A operação mira suposto esquema de fraude em licitações, dispensa indevida de licitações, falsificação de documentos, advocacia administrativa, além de crimes contra a ordem financeira.

Para assegurar que, em caso de comprovação dos crimes apurados, o erário público seja ressarcido, o juiz José Domingues Filho, da 6ª Vara Criminal de Dourados, determinou bloqueio de bens no limite de R$ 25 milhões, em desfavor dos investigados. As empresas denunciadas também foram proibidas de contratar com o poder público e os contratos vigentes foram suspensos por ordem judicial.

Licitações canceladas e contratações emergenciais

Segundo a denúncia do MP, licitações seriam canceladas, sem qualquer justificativa plausível, para que contratações emergenciais fossem efetivadas e as empresas vencedoras, narra a promotoria, “escolhidas a dedo” pelo grupo.

O suposto conluio, materializado pela adulteração de planilhas e orçamentos, seria para beneficiar a empresa Douraser, de responsabilidade de Messias José da Silva, um dos presos.

“Importante ressaltar que conforme a linha de investigação que se traçou, o cancelamento foi induzido pela Secretaria Municipal de Fazenda, uma vez que, a despeito da manipulação da cotação, a empresa Douraser ainda apresentava preço superior ao praticado por outra empresa, o que certamente acarretaria em sua derrota na fase de propostas”, diz a denúncia.

Os documentos relativos aos procedimentos em andamento, ainda conforme a denúncia, seriam adulterados para maquiar a fraude. Por isso, eles são acusados não somente de fraudar licitações como dispensá-las indevidamente, falsificar documentos, além de cometer advocacia administrativa, crime que consiste em patrocinar, direta ou indiretamente, interesses privados, valendo-se da qualidade de funcionário público.

“Analisadas as planilhas de custos apresentadas pela empresa Douraser, verifica-se que a cotação reproduzida acima teve valores alterados, se comparado às planilhas de custo que a acompanham, caracterizando-se assim a fraude na licitação, em seu benefício”, sustenta a promotoria.

Nos mesmos moldes, conforme a promotoria, outra licitação, desta vez para serviços de merendeira, teria sido cancelada para beneficiar outra empresa, a Energia Engenharia Serviços e Manutenção Ltda-ME, que apresentava o maior valor entre as cotadas, “mediante adulteração de planilha de custos”.