/Auxilio de Famílias em Dificuldade Alimentar
agricultura familiar

Auxilio de Famílias em Dificuldade Alimentar

Hoje, sexta-feira (3), foi finalizado o mutirão “Terra Produtiva” que beneficiou cerca de 500 famílias residentes na Aldeia Bororó.

Esses grupos foram identificados em estado de vulnerabilidade alimentar e a partir de agora serão produtores na agricultura de subsistência.

A ação contou com parceria entre o poder público municipal, por meio das secretarias de Assistência Social e Agricultura Familiar.

Contou também com a comunidade Douradense, representada por associações, acadêmicos e técnicos da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), Ministério Público Estadual, Embrapa e outros colaboradores.

CAPACITAÇÕES

Ao longo de 15 dias esses grupos tiveram capacitações junto a Embrapa e UFGD para aprender sobre o manejo com solo e ações ideais para o cultivo de subsistência.

Além disso, a Secretaria de Agricultura Familiar em parceria com associações de produtores da área rural de Dourados, disponibilizaram máquinas e tratores para o preparo do solo.

Cada grupo familiar precisava ter ao menos meio hectare de terra para poder produzir, desta forma, durante os dias de preparo foram dedicados todo maquinário possível a fim de garantir as condições ideais do solo.

A indígena Elizandra da Silva, 29, contou que o projeto veio contribuir para a família dela — esposo e duas filhas — e a todos os moradores da reserva.

“Tenho um hectare lá em casa e estou pensando em plantar mandioca e banana. A abóbora eu já planto. Eu gostei dessa ideia porque ajuda muito a gente aqui na reserva”, disse a entrevistada.

Outra que ficou contente com o projeto foi a dona Felícia Vilhalba. Ela contou que há alguns dias as máquinas parceiras do mutirão foram na casa dela e deixaram todo o solo preparado.

Lá moram ela e outras seis pessoas, e além de contribuir para as refeições diárias, o projeto vai complementar também a renda da família.

“É bom pra minha família porque vai vir nos ajudar mais. Eu planto várias coisas e agora vou conseguir completar minha renda porque esse é o meu salário. Estamos pensando em plantar agora mandioca, milho, batata e abóbora”, disse.

AGRICULTURA FAMILIAR

O secretário de agricultura familiar Marcos Roberto Soares, o Marcão da Sepriva, explicou que o projeto nasceu no ano passado e de lá pra cá vem sendo estruturado a fim de garantir que “o pequeno agricultor indígena tenha seu sustento na porta de casa”.

“Nós viemos para incentivar esse pequeno produtor a crescer na agricultura. Dentro dessa ação nós ampliamos o projeto Comunidade em Ação, onde os produtores das associações vieram contribuir para realização dessas atividades. Agora essas famílias terão garantido os melhores alimentos diariamente em suas mesas”, explicou.

A prefeita Délia Razuk (PR) esteve no local e contou que um dos grandes benefícios do mutirão é a desmistificação de que o índio não produz.

“O índio ama a terra, ele quer tirar da terra seu sustento. São pessoas que trabalham, algumas famílias que se encontram em vulnerabilidade, mas a solidariedade da comunidade douradense veio hoje para mudar essa realidade”, disse a prefeita.

Agora, segundo organizadores de projeto, essas famílias continuarão sendo acompanhadas para garantir que a produção seja qualificada e eficiente aos objetivos esperados, principalmente no fator da desnutrição dentro das comunidades indígenas de Dourados.

Fonte: Vinicios Araújo