/Juiz absolve Jamilzinho, ex-guardas, advogado e policiais na operação Omertà

Juiz absolve Jamilzinho, ex-guardas, advogado e policiais na operação Omertà

Jamil Name Filho, ex-guardas civis metropolitanos, advogado e policiais foram absolvidos em denúncia de obstrução de Justiça na operação Omertà.

O processo chegou à 1ª Vara Criminal de Campo Grande em 2019 e a sentença do juiz Roberto Ferreira Filho foi anexada ontem à noite aos autos. Ainda há outras ações da operação Omertà tramitando na Justiça, como a denúncia por quadrilha, homicídios e extorsão. Name Filho segue preso na penitenciária federal de Mossoró (Rio Grande do Norte)

No processo por obstrução de Justiça, o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) denunciou inicialmente o segurança particular Flávio Narciso Morais da Silva e os então guardas Rafael Antunes Vieira e Robert Vitor Kopetski por crime previsto na Lei de Organização Criminosa: impedir ou embaraçar a investigação de infração penal.

Na sequência, mais nove pessoas foram denunciadas pelo crime de obstrução de Justiça: Jamil Name (já falecido), Jamil Name Filho, Vladenilson Daniel Olmedo (policial civil aposentado), Márcio Cavalcanti da Silva (policial civil aposentado), Alexandre Gonçalves Franzoloso (advogado), Alcinei Arantes da Silva (ex-guarda), Andrison Correia (militar reformado do Exército), Eltom Pedro de Almeida (contador) e Rafael Carmo Peixoto Ribeiro (ex-guarda).

O primeiro ponto da denúncia foi a remoção de materiais da cobertura de Jamil Name Filho no dia da prisão do então guarda Marcelo Rios, flagrado com arsenal em 19 de maio de 2019.

De acordo com o Ministério Público, Rafael Vieira, Alcinei, Andrison e Eltom teriam retirado documentos importantes para a organização criminosa armada,  além de armas de fogo e valores em espécie para  impedir o acesso das equipes de investigação às provas.

Na ocasião, o Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, Assalto e Sequestros) recebeu denúncia sobre a o limpa no apartamento e, depois, a força-tarefa da Omertà obteve as imagens do circuito interno do edifício.

Fonte: Campo Grande News