/Mapa destrói mais de 58 mil garrafas de azeite de oliva fraudado em São Paulo

Mapa destrói mais de 58 mil garrafas de azeite de oliva fraudado em São Paulo

Começou nesta quinta-feira (16), em Mauá (SP), a operação de descarte de 58.703 garrafas de azeite apreendidas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em São Paulo. Como todas as garrafas precisam ser abertas e esvaziadas, a previsão é que a operação dure mais de uma semana. Esta foi a maior apreensão de azeite fraudado já realizada pelo Mapa no país desde 2017, quando a fiscalização foi intensificada.

A descoberta da fraude ocorreu em 2019 e as garrafas foram apreendidas em maio daquele ano. Um mês depois, a Polícia Civil conseguiu localizar a fábrica clandestina no município de São Paulo. A delegacia de polícia que descobriu investigava uma carga roubada de óleo.

Segundo o auditor fiscal federal agropecuário Tiago de Dokonal Duarte, que atua no Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal (Sipov) da Superintendência Federal de Agricultura de São Paulo (SFA-SP), o rótulo dos produtos indicava a produção em Portugal, trazia endereço inexistente de uma fábrica fictícia e código de barras clonado. O azeite era, na verdade, uma mistura grosseira de óleos, sem a presença de azeite de oliva.

Na época, os produtos fraudados foram encontrados em oito estados, em redes de atacados e pequenos mercados. A ilegalidade foi constatada com análises em laboratórios oficiais do Mapa.

O responsável pela produção fraudulenta foi preso durante a operação da polícia. Enquanto o crime era investigado, o Mapa instaurou um processo administrativo para apurar responsabilidades. De acordo com o Decreto 6.268/2007, o lojista que armazena e comercializa o produto sem comprovação de origem ou de origem ilícita se torna responsável solidário pela mercadoria. A destruição só ocorreu agora porque foi preciso respeitar os prazos legais de recursos administrativos até que a decisão fosse definitiva.

A SFA-SP autuou ao menos três atacadistas da Grande São Paulo que vendiam o produto. As multas totais somaram R$ 2.225.606,00. As próximas destruições, de 6,2 mil garrafas, devem ocorrer em breve.

Reciclagem

O óleo foi encaminhado a uma empresa de Mauá que recolhe e recicla óleos descartados por restaurantes. Cerca de 70% do material reciclado é transformado em biocombustível e os outros 30% se dividem em desmoldante de concreto, massa de fixar vidro e produtos usados em lavagens de carros. As garrafas de vidro são direcionadas à reciclagem.

A substância despejada em toneis de 200 litros foi colocada em tanques, onde passou por processo de aquecimento em alta temperatura. Como o processo ainda não foi finalizado, a equipe do Mapa emitiu um laudo de fiscalização, para atestar o início do processo, e deve emitir o laudo de execução do julgamento – a penalidade era a destruição do material – nos próximos dias.

A marca destruída era Quinta Lusitana, mas a fábrica clandestina também rotulava garrafas com os nomes Oliveiras do Conde, Quinta D’Oro, Évora, Costanera e Olivais do Porto.

Fraudes

Os azeites são o segundo produto mais fraudado no mundo, perdendo apenas para os pescados. A fraude mais comum é a mistura de óleo de soja com corantes e aromatizantes artificiais. Também são encontrados casos de azeite de oliva refinado vendido como azeite extra virgem.

Desde 2017, quando o Mapa lançou a Operação Isis para regular o mercado de azeites no país, diversas apreensões foram realizadas. Para evitar a proliferação de casos de fraude de azeites de oliva, o Mapa realiza um plano de fiscalização com ações programadas em média duas vezes ao ano. O acompanhamento pelos fiscais leva em consideração os níveis de consumo do azeite, a vulnerabilidade de produtos, o histórico de inconformidade das marcas.